Manual dos Primeiros Anos


A Volta para Casa
     Nós, mães e mulheres
    Nós e nosso bebê
     Nós e nossa família

Alimentação de 0 aos 2 anos
    O seu crescimento
    O primeiro nutrimento
    O início da alimentação
    Alimentação de 1 a 2 anos

Crescimento e Progressos
    Mundo do recém nascido
    Os primeiros três meses
    Dos 3 aos 6 meses
    Dos 6 meses a 1 ano
    De 1 a 2 anos
    Brincadeiras e Segurança

Dicionário de A a Z
    A B C
    D E F
    G H I 
    J K L
    M N O
    P Q R
    S T U
    V X Z


A Amamentação ao Seio
Dia após dia, durante nove meses, o corpo materno construiu milhares e milhares de células para dar forma e vida a um bebê. Uma tarefa complicada e que não termina com o nascimento. De agora em diante, e durante muitos anos, o crescimento e o bem estar de seu filho dependem de você. Uma responsabilidade que os pais nos dias atuais podem enfrentar com muito mais serenidade e segurança, graças aos contínuos progressos da medicina, da psicologia e da ciência da nutrição. Como podemos cuidar para que nosso bebê cresça forte e em boa saúde, longe de doenças e outros distúrbios? A melhor resposta está em uma alimentação correta desde os primeiros dias de vida. É dos alimentos que o seu bebê pode receber todas as "matérias primas" que constroem as bases de um organismo saudável. Durante a gravidez, você certamente já aplicou este princípio optando por uma alimentação rica em sais minerais e vitaminas, evitando comer comidas gordurosas e açucares, dosando atentamente as proteínas e carboidratos. Agora, não resta que continuar. E mais uma vez, a natureza vem nos ajudar, oferecendo o alimento mais simples e perfeito de iniciar o nutrimento de seu bebê: o seu leite. Pediatras e nutricionistas são unânimes: não existe alimento melhor para um recém nascido que o leite materno. Não só porque contém todas as substâncias essênciais que garantem o seu crescimento como também garante importantes fatores protetivos que influenciam positivamente na saúde futura de seu filho.
Suas várias composições: o leite materno é um alimento biologicamente apto para o ser humano. Está sempre pronto, sempre fresco, sempre quente. Mas não tem sempre a mesma composição. Para melhor se adaptar às necessidades de crescimento de um recém nascido, ele modifica a sua "fórmula" com o passar do tempo, o que o torna um alimento único e inigualável. Nos primeiros dias de vida, antes da chegada do leite definitivo, o seu bebê se alimentará de colostro, um leite denso e amarelado, chamado de "primeiro leite". É um leite repleto de substâncias nutritivas, rico em proteinas e sais minerais, importante para os primeiros dias de vida, quando o bebê deve se adaptar ao novo mundo externo e precisa compensar a perda de peso (lembra?) para iniciar bem o seu crescimento. E além disso, o colostro vai fornecer ao seu bebê determinados anticorpos que são substâncias de defesa para protegê-lo da possível agressão de germes e virus. Próximo ao terceiro ou quarto dia, o colostro modifica seu aspecto tornando-se mais claro e cremoso. É o leite de transição que serve para ir acostumando o bebê ao leite definitivo que virá a seguir. Aos poucos, diminuem as proteinas e aumenta o conteúdo de açucares, indispensável para o crescimento dos tecidos cerebrais, e de gordura que se transformam em energia. Ao completar 10 dias, o seio materno produzirá finalmente o "leite perfeito", mais flúido e de sapor doce. Como tem um aspecto mais aguado, muitas mães podem pensar que o seu leite ficou "pobre", mas fique tranquila, seu leite oferece ao seu filho tudo o que ele precisa e da forma mais equilibrada possível.

As Substâncias Nutritivas do Leite Materno
Estudando a composição do leite materno, verificamos que ele é uma importante fonte de água, que constitue 87% de seu total, o que garante o equilíbrio hídrico do organismo do bebê. Em segundo lugar, o leite materno é uma excelente fonte de energia, fornecendo em média 700 calorias por litro. Outras substâncias nutritivas compõem o leite materno, como as proteinas (que são consideradas os "tijolos" usados pelo organismo no crescimento de céluclas e tecidos); os açucares (principalmente a lactose, responsável pelo desenvolvimento do cérebro humano, pela proteção contra germes e vírus, e pela absorção do cálcio fundamental para o crescimento ósseo da criança); as gorduras (que servem para o desenvolvimento das células do sistema nervoso); e as vitaminas e sais minerais (o leite materno apresenta uma quantidade suficiente de vitamina C, D e E, além de cálcio, fósforo e um pouco de ferro).

As Vantagens para a Saúde
O leite materno é uma formidável fonte de defesa, fornecendo ao recém nascido um grande número de anticorpos, verdadeiros "guerreiros" prontos a defender o organismo do ataque de virus e bactérias. Em particular, as imunoglobulinas IgA, que protejem o aparelho intestinal e respiratório, os orgãos mais vulneráveis neste período, promovendo assim uma ação anti-alérgica. No leite, passam também os anticorpos que o organismo materno fabricou de acordo com as vacinações recebidas ou com as infecções espontâneas que a mãe superou antes da gravidez. Para reforçar ainda mais o leite materno, temos os glóbulos brancos, que no caso do colostro chega a conter um milhão por mililitro, e também as enzimas que agem indiretamente contra os germes. 
Três regras para mantê-lo puro: não fumar (a nicotina passa facilmente no leite e age diretamente sobre o bebê deixando-o irritado e insone); não tomar remédios sem prescrição médica (quase todos os medicamentos passam no leite materno fazendo com que ele absorva a substância); moderar o uso de bebidas alcólicas (vinho e cerveja podem ser consumidos em pequenas doses, mas lembre-se que o álcool passa no leite e pode causar efeitos negativos no bebê, o mesmo vale para o café).

A Hora das Dúvidas
96% das mães podem amamentar sem nenhum problema. Porém, o número de mulheres que desistem de amamentar após 4-6 semanas ainda é muito elevado. Isso se deve a dois motivos até certo ponto infundados: o primeiro é a dúvida que toda mãe tem em saber se o próprio leite é suficientemente nutritivo para o bebê. Este temor é muito normal, e esconde uma ansiedade da mulher pela responsabilidade de ser a única fonte nutritiva do próprio filho. O outro motivo é a preocupação em saber se ele come o necessário, e neste caso a melhor resposta está sob seus próprios olhos: é a cara de satisfação e saciedade de seu bebê... se ele não estivesse bem alimentado, estaria chorando e gritando de modo incontrolável. Outra dúvida frequente é até quando amamentar, e a resposta é muito simples: o maior tempo possível. Se a produção do leite continuar, não existe razão, a não ser de ordem prática, que a obrigue a parar de amamentar. A decisão é totalmente livre e pessoal, porém saiba que a partir do 6° mês, sempre sob o acompanhamento do pediatra, seu filho deverá iniciar a integrar a primeira alimentação sólida.

O Leite Artificial
Todos são unânimes: o leite materno é o alimento perfeito, o melhor que um recém nascido pode receber. Pode acontecer, todavia, que apesar de toda a boa vontade e repetidas tentativas, a mãe não consiga produzir uma quantidade suficiente de leite. A vontade de mamar de seu filho será mais frequente, ele poderá diminuir o aumento de peso habitual, e inevitavelmente será necessário substituir o seio pela mamadeira. É normal que a mulher sinta de alguma forma um certo senso de culpa, mas é melhor não dramatizar... este modo alternativo de nutrir seu filho não privará nenhum de vocês do contato pele-pele, nem dos carinhos e atenções.
Se você iniciar cedo: pode acontecer que após as tentativas iniciais de amamentar, você perceba que tem pouco leite, e dessa forma após poucas semanas será necessário começar a amamentação artificial. Não se preocupe, seu filho se acostumará sem dificuldades com a mamadeira. Se você notar alguma dificuldade, pode ser que o leite não flui muito lentamente e o bebê não consegue encontrar um ritmo regular. Controle o bico da mamadeira para ver se está furado corretamente: vire a mamadeira e verifique se o leite passa gotejando como num conta-gotas.
Se você iniciar mais tarde: é aconselhável passar à mamadeira de forma gradual, eliminando inicialmente a mamada mais escassa de leite, em geral a noturna. Depois de 2 ou 3 dias, substitua outra, e depois de mais 2 ou 3 dias, substitua uma terceira mamada, e assim por diante. A última mamada a ser substituida é a da manhã, que você poderá manter enquanto durar o leite.
Que leite usar? Qual leite pode substituir o leite materno? Para responder a estas perguntas foram necessários vários anos de pesquisas por parte de estudiosos, nutricionistas e médicos pediatras. O objetivo era um só: encontrar a "fórmula" que mais se aproximasse do leite materno. A solução começou a se delinear na metade dos anos sessenta, mas somente no final dos anos 70 se encontrou a composição que melhor substituia o leite materno: assim nasceu o leite com proteínas adaptadas, com resultados nutricionais extremamente satisfatórios. Será o pediatra de seu filho a indicar o tipo de leite artificial que você deve usar. A escolha dependerá principalmente da fase em que se interromperá a amamentação ao seio.  

Quanto é Suficiente Para Ele Comer???
Seja um bebê amamentado ao seio ou com leite artificial, eles tem uma extraordinária capacidade de se auto-regular de acordo com suas necessidades. Então, respeite o seu apetite e ofereça ao seio ou a mamadeira sempre que ele tiver fome, e deixe que ele mesmo escolherá o quanto quer comer. Os horários e a frequência das mamadas, aos poucos adquirem um ritmo regular, em geral a cada 3 ou 4 horas.
 
Regras Práticas Para a Amamentação
Higiene absoluta é a primeira e mais importante regra que deve ser respeitada. Não respeitar esta regra, pode aumentar o risco de infecções, em algum determinado momento nos primeiros meses de vida, em que o recém nascido é muito mais vulnerável. E como o leite artificial não contém os preciosos anticorpos do leite materno, a defesa é responsabilidade sua... por isso, esterilização é a palavra-chave.

 



Copyright© Clube do Bebê 2000/2004